31/08/2016

Na nossa casa não vemos telejornal...

Sim, é uma daquelas casas em que é o canal Panda que reina. 

Confesso que por vezes prefiro ficar indiferente ao que se passa no Mundo e há mesmo noticias que me recuso a ler.

Cansada de me sentir incomodada, de me sentir intrigada e tantas vezes incrédula.

Sinto o peso da responsabilidade no que toca à educação dos meus filhos que vivem nesta sociedade de intolerância religiosa, machista, homofóbica, misógina, selectiva, excludente e cruel.

E penso muitas vezes que simples atitudes do nosso quotidiano que se repetem, ainda que por vezes inconscientemente, fazem perpetuar esta realidade e estas mentalidades.  

Está enraizado, é quase visceral… para mudar vai doer, vai mexer nas estruturas, vai virar coisas ao contrário, mudar mentalidades e formas de ser e estar. 

Preocupo-me com os filhos que vou deixar neste mundo.

Quero deixar filhos que pensam pela própria cabeça, curiosos, livres, dispostos a lutar e a acabar com modelos e padrões, filhos que dão a cara, que levantam bandeiras, que dizem o que pensam, que se respeitam a si mesmo e aos outros, filhos que não se acomodam, filhos que não baixam os braços, que não põem as mãos nos bolsos, activos e volto a repetir, livres, essencialmente livres. 

Quero deixar filhos que vão poder continuar a defender aquilo que querem e em que acreditam em prol de um mundo melhor.

Mas e se o mundo não estiver melhor?

Se não estiver melhor, eles vão estar ali, preparados para agir e enfrentar os obstáculos e não sentados à espera, a chorar, preocupados e a lamentar que vivem num mundo assustador e que não há maneira de o mudar. 

Mas há maneira, a maneira são eles, e para serem eles, temos que ser nós que também temos que mudar.

Para mostrar aos meus filhos o que é o respeito, por mim, pelos outros e pelo mundo, não me vou rir de piadas sobre raça, sexo ou religião, não vou diminuir uma luta ou um ideal mesmo que não seja meu e mesmo que não concorde com ele, não vou incutir clubismos, vou desmistificar o preconceito, não vou incentivar a minha filha a que seja ela sozinha a cuidar dos filhos, da casa e do marido, não vou dizer ao V. que não pode vestir cor de rosa ou brincar com as bonecas da irmã, não vou dizer que a irmã por ser mulher é mais frágil do que ele….vou ensinar que cada pessoa tem o seu lugar no Mundo independentemente das suas escolhas.

Exercer maternidade é quase um acto político no sentido em que somos nós Pais que temos a responsabilidade de ajudar os filhos a descobrir o seu potencial, somos nós Pais que ajudamos os filhos na construção dos seus projecto de vida, somos nós Pais que os temos que ajudar a ser (bons) cidadãos no Mundo, somos nós Pais que os temos que ajudar a exercer a sua (boa) cidadania, somos nós Pais os responsáveis por aquilo que está para vir. 

❤️❤️❤️❤️

25/08/2016

PASSATEMPO - Onde vais Safira?



A Ana Rita Forte é a autora do livro Onde vais Safira? 

A Safira, é uma jovem girafa, que um dia acorda e não está ninguém na sua aldeia. 

Todos desapareceram e não a levaram, resolve então partir sozinha, em busca da sua mãe e da sua família. 

Pelo caminho conhece um macaco, o Zacarias, que se torna seu amigo inseparável e se junta a ela nesta aventura pelo deserto. 

Safira descobre um mundo que não sabia que existia e vai viver uma aventura inesquecível com Zacarias e outros animais que conhece pelo caminho.

E pronto podiamos ficar por aqui bla bla bla... e concorram. Mas não, primeiro ainda falta falar da autora deste livro, a Rita. 

A Rita foi minha colega de escola na secundária, as escolhas das nossas vidas acabaram por nos separar e foi o facebook quem conseguiu a proeza de nos voltar a juntar ainda que virtualmente mas, com a sensação de que estive com ela ontem e que nunca ficámos sem falar durante alguns anos, e foi com surpresa que reencontrei a Rita com este "filho" nos braços.

E porque acredito neste projecto pessoal da Rita, e porque por trás deste projecto estão horas de trabalho e dedicação, um projecto que fez nascer com tanto carinho e expectativa, e sendo a melhor publicidade, a publicidade do passa a palavra, assumo que este é um passatempo com o objectivo de dar a conhecer a Safira e os seus amigos e com a certeza que daqui a um tempo a Rita nos vai presentear com novas aventuras da sua Safira. 

E agora sim :-) 

Para ganharem um exemplar da obra - Onde vais Safira?

1. Fazer gosto na página de facebook deste blog de palavras desajeitas
2. Fazer gosto na página de facebook da Safira 
3. Comentar identificando 3 amigas/os 
4. E partilhar no facebook

Só são válidas participações até dia 31 de Agosto (4ª feira) às 24h
A/O vencedora/o será seleccionada/o via Random.org e será anunciada/o dia 1 de Setembro (5ª Feira)

Só é válida uma participação por pessoa 

Nota: As participações deverão ser feitas na página de facebook do blog.

A Safira está à vossa espera, boa sorte! :-) 

❤️❤️❤️❤️

24/08/2016

Uma semana sem eles pela primeira vez 😃😩😃😩😃😩

E venho no caminho para casa a pensar:

"E agora chego a casa e vou fazer o quê?" 

1 - Tomar banho sem interrupções?
2 - Estender-me no sofá que me trata por você?
3 - Comer um gelado SÓ para mim?
4 - Ler aquele livro de 250 páginas que comecei em Junho e vou na página 50? 
5 - Vou-me já deitar para por o sono em dia?
6 - Aproveitar o silêncio? 

Nop...

(Quando sei perfeitamente que estão óptimos, a adorar e também a precisar de férias nossas)

Vou ligar aos avós para saber deles, para falar com eles e perguntar mil vezes se estão a gostar, se não têm saudades da Mãe e se querem vir para casa ✔️

Ele: 

- Até amanhã!

Ela:

- Oh Mãe, quero ir à praia!

❤️❤️❤️❤️

22/08/2016

Hoje vou casar o meu Pai...

No dia em que ele me casou...

Arrisco a dizer que este talvez seja o post mais íntimo que já escrevi no blog, o que mais revela sobre mim e sobre o meu modo de estar na vida.

Sou filha, como se chama na gíria, de uma família não tradicional ou até, como por vezes ouvi, de uma família disfuncional.

Quando tinha 9 anos, os meus Pais divorciaram-se, não tenho uma única memória dos meus pais enquanto casal, um dar de mãos, um beijo nos lábios, dormirem juntos...

Quando se divorciaram fiquei com o meu Pai, isto há 27 anos atrás era qualquer coisa de diferente. 

Entre eles combinaram que a casa seria para manter e que eram eles quem tinham de se "arranjar".

Passado talvez um ano o meu Pai sai e entra a minha Mãe, passado alguns anos o meu Pai termina uma relação de vários anos e também ele volta, ficamos os 3, entretanto sai a minha Mãe, volta, sai o meu Pai, volta, eu fico sempre, até que um dia ficamos os 3 outra vez, cada um deles com vida própria e relações amorosas independentes, cada um por si e os dois por mim. 

Um dia sai eu de casa e eles ficaram, os dois, na independência dependente que os caracteriza. 

Quando na escola contava o meu modo de vida havia que sem risse, havia quem não fizesse questões e havia ainda quem me questionasse sem fim, havia que achasse graça, quem entendesse e quem não entendesse. 

Apesar deste modo de vida nem sempre ser bom também havia momentos em que não era mau, mas tenho em crer que também é assim nas famílias tradicionais. 

E cresci assim, com pais separados juntos, com vidas separadas paralelas, com relações distantes próximas.

O meu pai casa hoje, vai casar com a M. e mais uma vez tudo é diferente do suposto tradicional, a M. tem menos 5 anos do que eu, a M. podia ser filha do meu Pai, não, a M. não é brasileira como tantas vezes me perguntam, a M. é também ela filha de uma família atípica ou disfuncional como há quem goste de assim chamar, a M. é uma mulher doce e meiga, cheia de bons princípios e valores, com uma dedicação e amor desmedido pelo meu Pai, não, também não é por dinheiro, nesta, para mim família, cada um vive do esforço do seu trabalho. 

Mas esta não é a primeira vez que vivo isto, também a minha Mãe teve durante anos uma relação com uma pessoa muito mais nova do que ela, pelo que, já tenho um enorme estofo para as perguntas e respostas para as relações amorosas dos meus pais. 

Hoje o meu pai vai casar e a minha Mãe é a sua madrinha de casamento.

E esta é a minha família atípica e disfuncional, sem dúvida atípica e disfuncional na forma como gostamos verdadeiramente um dos outros, na capacidade de aceitação, na cumplicidade, na amizade, no amor que nos une aos 3! 

❤️❤️❤️❤️

18/08/2016

Oh Mãe...





















Oh Mãe eu quero!
Oh Mãe dá!
Oh Mãe vá lá...
Oh Mãe posso?
Oh Mãe tenho sono!
Oh Mãe tenho sede!
Oh Mãe fiz dói dói!
Oh Mãe doí!
Oh Mãe tenho fome!
Vou dizer à Mãe!
Oh Mãe quero fazer xixi!
Eu quero a Mãe!
A Mãeeeeeeeee!
Ohhhh Mãeeeeee!
A Mãe é que faz!
A Mãe é que sabe!
Oh Mãe colo!
Não és tu, é a Mãe!
Mãe és má!
Mãe querida!
Gosto tanto de ti Mãe!
Mãe, leitinho!
Vamos Mãe!?
Oh Mãe agora!
Mãe tenho frio!
Mãe tenho calor!
Oh Mãe não gosto de sopa!
Oh Mãe eu não quero!
Oh Mãe não fui eu!
Oh Mãe eu prometo...
Oh Mãe mas porquê?
Oh Mãe, Mãezinha, Mamã...
Oh Mãe obrigada!
Oh Mãe ❤️

❤️❤️❤️❤️

11/08/2016

Mas...

...não é o dia dos Filhos todos os dias a partir do momento em que somos filhos ou pais?! ❤️


❤️❤️❤️❤️

06/08/2016

Estamos de férias...

há uma semana.


Desta foto resulta e até parece, que as nossas férias estão a ser uma maravilha. Mas só parece!

Férias com filhos é sempre aquela logística que por muitos métodos e teorias que se arranje não sabe verdadeiramente a férias.

Fujo às rotinas e horários sem peso na consciência mas admito que as voltas trocadas lhes causam algumas diferenças, incluindo no comportamento, admito ainda que há dias em que desejo que estas férias acabem rápido e que trabalhar cansa bem menos.

Gerir dois filhos tão pequenos e com idades tão próximas é também uma aprendizagem constante, em tudo na vida vamos ganhando maturidade, e na maternidade não é excepção, e sei que por vezes me falta maturidade emocional para gerir conflitos e birras e que em vez de parar para pensar me deixo levar.

Consola-me saber que apesar da minha falta de paciência e dificuldade na gestão, nestas férias sentem-se livres, estão felizes! 

Ainda assim, não me deixo enganar pelas fotos que aparecem no timeline do facebook e instagram.

Não se deixem enganar com as minhas também :-) :-) :-) :-) 

Boas férias! 

❤️❤️❤️❤️